6 de abril de 2019

Governo e sociedade civil buscam fortalecimento do controle social na Assistência


Em reunião do Conselho Estadual de Assistência Social de Sergipe (CEAS) realizada nesta sexta-feira, 05, representantes da sociedade civil e do governo do Estado debateram a elaboração e fortalecimento de políticas públicas para a área. Presente na reunião, a secretária de Estado da Inclusão Social, Lêda Couto, também apresentou o panorama da secretaria de Estado da Inclusão, da Assistência Social e do Trabalho (Seit), e ouviu reivindicações trazidas pelo Conselho.

Segundo a assistente social e presidente do CEAS, Kátia Ferreira, as principais demandas dizem respeito ao fortalecimento e estruturação do Conselho. “O panorama da política da Assistência Social é de crise nacional. Isso acaba refletindo em nossos usuários e serviços, como os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), os Centros de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) e as Unidades de Acolhimento Institucional. Após esta reunião, o Conselho está confiante que construiremos uma agenda contínua para o fortalecimento da Assistência Social no Estado de Sergipe”, afirmou.

A secretária Lêda Lúcia enfatizou o compromisso com os espaços democráticos de discussão. “Os três entes governamentais – federal, estadual e municipal – estão em crise financeira. Nacionalmente, estamos vivendo um cenário de desestabilização de conselhos e falta de repasses de recursos. Mesmo neste ambiente desfavorável, estamos tentando estruturar melhor os conselhos, no que se refere tanto a equipamentos quanto às equipes técnicas. Vamos continuar as discussões numa programação contínua e progressiva de construção coletiva”, disse a gestora.

Para a vice-presidente do Conselho, Itanamara Guedes, representante da sociedade civil, o encontro trouxe novas perspectivas. “Foi uma reunião muito proveitosa e respeitosa, onde a secretária Lêda sinalizou que está tentando resolver questões importantes para os municípios. O Conselho Estadual assessora e acompanha os conselhos municipais, instâncias onde se delibera, fiscaliza, monitora e avalia a política de Assistência Social. Para nós, do Conselho, sermos recebidos pela secretária no início de sua gestão reafirma o respeito ao nosso colegiado e às nossas reivindicações. É um sinal do compromisso com a democracia”, concluiu.

Fotos: Pritty Reis